Lindas Imagens da Califórnia Com Infravermelho Por Kate Ballis

Na série Trippy Infra Realism, a fotógrafa de Melbourne, Kate Ballis, transforma paisagens familiares e bem documentadas em um mundo surreal. Enquanto estamos familiarizados com as características sonhadoras de Joshua Tree e Palm Springs, Ballis capta imagens no infravermelho, uma técnica fotográfica que pega extremidades de luz que o olho humano não consegue perceber. O resultado é um elenco de cores de violetas profundas e azuis elétricos, vermelhos sangue e magentas quentes.

O espectro infravermelho da luz que emana das plantas fica bem além do espectro de luz visível para a humanidade”, explica Ballis. “O meu trabalho, nesse sentido, envolve a ciência e a magia, fornecendo um vislumbre do desconhecido, tornando o invisível, visto e visto invisível”. Magia, talvez, mas também Marte: as fotografias parecem ser da década de 1950 imaginando onde os humanos podem encontrar-se no futuro não muito distante.

 As paisagens parecem inabitáveis, mas encantadoras em sua familiaridade. Ballis disse que seu objetivo era “revestir a Califórnia; estou fascinada com a energia invisível e estou entusiasmada por criar um trabalho que vislumbre um mundo que existe apenas fora da percepção humana, como uma memória que você não pode identificar”.

Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar

Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar


Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar


Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar


Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar


Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar


Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar


Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar


Etéreo, sonhador e psicodélico, o Realismo Infravermelho nos convida a dar uma segunda olhada em um mundo excessivamente familiar

Imagens ©Kate Ballis

Compartilhe com seus amigos, curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter!

Felipe Hack

Sócio fundador e idealizador do site Acta MUNDI. Autodidata, fascinado por tudo que envolve cultura artística, inovação e diversidade. Largou o gosto por jogos eletrônicos para se dedicar ao design gráfico 3D e empreendedorismo digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *