“Há homossexuais no Irã” – Série retrata Iranianos em busca de liberdade Sexual

A Filha de iranianos, nascida em Genebra, Laurence Rasti produziu a série: The are no homosexuals in Iran (há homossexuais no Irã).
Buscando explorar a noção de identidade ligada à sua origem, e também ideias universais, como a sexualidade das pessoas.

Os refugiados não fogem somente da guerra, foi o que descobriu quando em 2014, teve contado com estas pessoas e suas histórias.

Em setembro de 2007, na Universidade de Colúmbia, o ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad fez a infame declaração “No Irã nós não temos homossexuais como em seu país. No Irã, nós não temos esse fenômeno.’

Por lá relações homossexuais são consideradas crimes, e podem ser punidas com a pena de morte, de acordo com a sharia.

Série fotográfica “Há homossexuais no Irã” da fotógrafa Laurence Rasti.

Irã é um dos oito países no mundo onde homossexuais enfrentam a pena de morte.

 Esta série explora momentos na transição dos refugiados iranianos que fogem para a Turquia em busca de liberdade sexual.

Em Denizli, uma pequena cidade na Turquia, uma ONG trabalha com estes refugiados, que colocam suas vidas em pausa antes de partirem para um país que os acolha.
Neste contexto de incerteza, onde o anonimato é a melhor proteção, esta série questiona os frágeis conceitos de identidade de gênero.

Retrados-Refugiados-Iranianos-06

“Tento devolver a essas pessoas o rosto que seu país temporariamente tem lhes roubado”.

“Para mim, foi importante captar a identidade das pessoas nesta causa”, diz  Rasti.


Algo difícil quando o anonimato é a única proteção dessas pessoas, sem poder fotografar seus rostos, precisou encontrar uma maneira diferente de retratá-las”.

A artista passou um tempo com seus “modelos” para conhecê-los, construir laços de confiança e respeito, para contar suas histórias.
As pessoas que ela conheceu e fotografou se tornaram suas amigas, como resultado fotos que  transmitem uma intimidade, sem pôr em risco a segurança. 

Artista não poderia fotografar seus rostos, então precisou encontrar outra forma de retratá-los.

Com uma infância dividida entre o Irã e a Suíça, a fotógrafa encontrou elementos nas histórias daqueles retratados por ela, de algo não muito diferente da sua própria, uma vida dividida entre países e identidades culturais.

No início, Rasti tinha em mente algo totalmente diferente para este projeto, primeiramente ela imaginou um documentário fotográfico expondo as dificuldades da situação e das provações sofridas por estas pessoas.

Mas quanto mais falavam, mais ela percebeu que não havia profundidade maior a ser encontrada se não explorando um aspecto ligeiramente diferente.

A esperança de seus novos amigos em recuperar o espaço e identidade dos quais foram privados, seu amor que transcende gênero, fatos que os obrigou a fugir de sua terra natal, estes sentimentos podem ser sentidos nos retratos de rostos escondidos e protegidos  feitos por Rasti.

A séria ‘Não há homossexuais no Irã’ será publicada em forma de livro em 2017.
Retrados-Refugiados-Iranianos-09

Retrados-Refugiados-Iranianos-08


Retrados-Refugiados-Iranianos-07


Série Fotográfica: Por baixo das roupas de Pessoas tatuadas.


Retrados-Refugiados-Iranianos-05


Retrados-Refugiados-Iranianos-04


Fotógrafo pede para indianos sorrirem e o resultado é transformador


Retrados-Refugiados-Iranianos-03


Retrados-Refugiados-Iranianos-02


Retrados-Refugiados-Iranianos-01

Todas as imagens © Laurence Rasti

Fonte: featureshoot

Por um mundo com mais respeito, amor e tolerância!

Compartilhe com seus amigos, curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter

Ivar L Leite

Sócio fundador do site Acta MUNDI. Formado em Administração com ênfase em Análise de Sistemas. Apaixonado por tecnologia e inovação, adora cozinhar e vasculhar a internet. Ama gatos, ler e assistir séries na TV. Encontrou na Mídia Digital uma nova paixão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *